sexta-feira, 10 de março de 2017

Pretos Velhos - #Arquétipo 02#

Amigos e leitores. 
Após publicarmos as novidades e ações inauguradas por este Blogcom a nova coluna Diálogo com Autores e nossa mais recente parceria de apoio cultural com a Sattva Editora é chegada a hora de retomarmos a série de textos, Guias de Umbanda quem são?
A primeira abordagem tratou o arquétipo 'Caboclos' e nesta sequência teremos os Pretos-Velhos como o centro da exposição dos nossos escritos.
Lembramos sempre em nossas advertências iniciais que nossos posicionamentos não refletem verdades absolutas, tampouco, pretendem polemizar ou confrontar conceitos estabelecidos, nosso intuito é apresentar um panorama geral contribuinte à desmistificação, portanto, amigos e leitores, apontem as possíveis discordâncias, critiquem construtivamente e sugestionem novas perspectivas para futuras abordagens.


Pretos Velhos


Simbolizam juntamente com os Caboclos, o que Leal de Souza referenciou de "Protetores da Linha Branca de Umbanda", pois, em seus trabalhos a humildade, fé e caridade são as marcas registradas, assim como a forma plasmada de anciãos que possam ter sido escravizados ou não. No livro O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas de Umbanda, de 1933, o autor, descreve assim a atuação dos "negros" na Umbanda...
..."Esses protetores se graduam numa escala que ascende dos mais atrasados, porém cheios de bondade, aos radiantes espíritos superiores.
O protetor, na linha branca é sempre humilde e, com a sua língua atravessada, ou incorreta, causa uma impressão penosa de ignorância, mas frequentemente, pelos deveres de sua missão, surpreende os seus consulentes, revelando conhecimentos muito elevados"... 

Pai Antonio 
Vale ressaltar o fato histórico e percursor das manifestações dos pretos velhos na Umbanda, presente desde de sua anunciação ou fundação, em novembro de 1908 com o advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas. Na oportunidade após a primeira "incorporação oficial" do caboclo que anunciara um dia antes a gira pública de fundação da Umbanda, manifestou-se também através da mediunidade de Zélio de Moraes a entidade Pai Antonio. Era a presença espiritual dos negros que haviam juntamente com indígenas sidos repelidos da reunião na federação espírita. Apresentando aspectos de um ancião de fala "atrapalhada" e com postura humilde, Pai Antonio, simbolizou desde então as formas de trabalho da linha dentro da religião. O uso de tocos ou bancos como assento durante os atendimentos, a utilização de fumos nos cachimbos para fins magísticos de combate a enfermidades físicas ou espirituais deletérias, as guias de fios de contas para proteção energética durante os trabalhos, entre outros aspectos da cultura dos cultos de nações africanas. 
O ponto cantado também foi "inaugurado" por Pai Antonio naquele primeiro encontro, referências contidas na "História da Umbanda no Brasil", do autor Diamantino Trindade, ilustram aos leitores esse momento...
..."O primeiro ponto cantado nasceu na primeira sessão quando ele pediu o cachimbo:


Minha cachimba tá no toco
Manda muréque buscá
Minha cachimba tá no toco
Manda muréque buscá
No alto da derrubada 
Minha cachimba ficou lá 
No alto da derrubada 
Minha cachimba ficou lá
No alto da derrubada 
Minha cachimba ficou lá 


Outros fatos e curiosidades marcaram e caracterizaram ainda na fundação da Umbanda a presença desta falange. Importante ressaltar que as manifestações do arquétipo, muito provavelmente, já ocorriam, pois, assim, indicam outras fontes de pesquisa. Deste modo, o fato ao qual nos referimos é estritamente relacionado ao ambiente de surgimento da Umbanda, anunciado, proposto e organizado pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas.
São inúmeros os nomes cabalísticos ou de trabalhos dos falangeiros desta linha, assim como os demais (outros espíritos militantes de Umbanda), podem ou não apresentar relações com a energia do Orixá que representam ou irradiam. Em geral são chamados de Vovô, Vovó, Pai, Mãe, Tio ou Tia possibilitando nomes assim: 
  • Pai Anacleto, Pai Antônio, Vovô Agripino, Pai Benedito, Pai Benguela, Pai Caetano, Pai Cipriano, Pai Congo, Pai Dindó, Pai Fabrício das Almas, Pai(Vovô) Firmino D'Angola, Pai Francisco Pai Jacó, Vovô Jeremias, Pai Jerônimo, Pai João, Pai João Baiano, Pai Joaquim, Pai Jobá, Pai Jobim, Pai José D'Angola, Pai Mané, Pai Miguel D'Arruda, Pai Roberto, Pai Serafim, Pai Serapião, Pai Severino, Pai Tomaz, Pai Tomé.
  • Vovó Acácia, Vovó Ana, Vovó Anastácia, Vovó Cambinda (ou Cambina), Vovó Filó, Vovó Carolina, Tia Chica, Vó Ditinha, Vovó Barbina, Mãe Benedita, Mãe Cassiana, Vovó Francisca, Vovó Luíza, Vovó Maria Conga, Mãe Maria D'Aguine, Vovó Manuela, Vovó Chica, Vovó Ana, Tia Joana, Vovó Maria, Vovó Maria Maria Redonda, Vovó Catarina, Vovó Luiza, Vovó Rita, Vovó Gabriela, Vovó Quitéria, Vovó Mariana, Vovó Maria da Serra, Vovó Maria de Minas, Vovó Rosa da Bahia, Vovó Maria do Rosário, Vovó Benedita, Mãe Terezinha D'Angola, Tia Zefinha  
Suas consultas são marcadas pelo aconselhamento e acolhimento fraterno, receitam todo tipo de infusões, banhos, chás, defumações e simpatias. Comemoramos seu dia festivo em 13 de Maio que representa a libertação dos negros escravizados no Brasil. As giras dos Avôs e Avós trazem a paciência, paz, fé e humildade para com os outros, propiciando em suas palavras, conselhos e gestos um momento de reflexão em nossa vida, para que possamos dentro de nossas limitações buscarmos novos caminhos e condutas.
Saravá os Pretos Velhos !


                                        

Nenhum comentário:

Postar um comentário