terça-feira, 14 de abril de 2015

CABOCLOS E ÍNDIOS NA UMBANDA - ABORDAGEM HISTÓRICA





Saudações a todos !

Podemos considerar o arquétipo do Caboclo, como um dos símbolos mais marcantes da religião de Umbanda, pois, através da manifestação do espírito "Caboclo das Sete Encruzilhadas" originou-se o que hoje conhecemos da nossa religião. O termo Caboclo está diretamente relacionado com o povo nativo brasileiro, o que não é nenhum engano porém este não é o único sentido que podemos aplicar ao termo.

Nosso objetivo com o texto é conhecermos um pouco mais sobre os termos "Caboclo e Índio", verificar suas inter-relações e atribuirmos aos seus significados pontos que se identifiquem com as características dos espíritos atuantes nas linhas dos trabalhos da Umbanda, tendo em vista que as generalizações tomam lugar do real entendimento dificultando a compreensão e encobrindo tradições culturais tão significativas, sobretudo dos povos nativos.

UM POUCO SOBRE OS NATIVOS...

Uma enorme quantidade de tribos e povos já habitavam o Brasil o todas as Américas antes da chegada dos Europeus colonizadores, os chamados povos "Nativos" ,constituíam a população local e fixa porém não homogênea,ou seja, suas diferenças étnicas e socioculturais além das linguísticas eram fatores presentes nestes povos, persistindo até hoje. 

A "Pajelança" que são os ritos religiosos, talvez seja uma das principais características que mais aproximem essas culturas, eram realizados pelo "Pajé"(líder espiritual da tribo) que através da manipulação de ervas, plantas, cantos e ritos específicos realizavam principalmente processos de cura nos enfermos, outra importante característica da religiosidade nativa era a crença na força da natureza e nos espíritos dos antepassados, lembramos novamente que essas interpretações acerca da religiosidade dos nativos variavam de tribo para tribo. Os Guaranis, Tupinambás, Aimorés, Carijós, Tupis entre tantos outros, são alguns dos grupos mais conhecidos nos grandes troncos étnicos existentes, alguns deles encontramos presentes na Umbanda, batizando com o nome de suas tribos e povos as representações da linhas de trabalho espiritual que representam, por exemplo (Caboclo Aimoré, Caboclo Tupinambá....).

Gravura em cobre de Theodor de Bry. Dança ritual dos Tupinambá.
No centro, três pajés com mantos de penas, cintos e diademas.
O surgimento do termo "Índio", tem origem na história do Brasil sobretudo no período que corresponde a chegada dos Europeus no continente Americano, por um acidente durante a viagem liderada por "Cristóvão Colombo" por volta de 1.492, uma tempestade desviou a rota da frota fazendo-os chegar no continente Americano o que causou confusão nos tripulantes, acreditando terem aportado nas Índias, batizaram genericamente os nativos de Índios e Indígenas e atribuindo nessas denominações sentido preconceituosos. 


Confirmamos na definição do livro "Dicionário de Conceitos Históricos" da editora Contexto este conceito..."Índio é um conceito construído no processo de conquista da América pelos Europeus. Desinteressados pela diversidade cultural, imbuídos de forte preconceito para com o outro, o indivíduo de outras culturas, espanhóis, portugueses, franceses e anglo-saxões terminaram por denominar da mesma forma povos tão díspares quanto os Tupinambás e Astecas"... 

O preconceito e a alienação cultural transformou-se em símbolo da cultura dos povos nativos com o passar do tempo..."Atualmente, todavia, a palavra índio assumiu um significado mais complexo, pois os próprios povos que antes eram discriminados por esse termo hoje se identificam como tal, construindo sua identidade cultural a partir dele"...  


E OS CABOCLOS...



Assim como o termo Índio o "Caboclo" também possui um processo de origem histórica e consequente ao período colonial brasileiro, em sua definição generalista é apresentada como... "Caboclo é a designação dada no Brasil para o indivíduo que foi gerado a partir da miscigenação de um índio com um branco, que tem a cor "acobreada" e cabelos lisos", assim o definiu Luis Câmara Cascudo grande historiador e pesquisador da cultura brasileira. A origem etimológica da palavra é questão não definida e suas variações existem conforme seus pesquisadores, entre algumas que encontramos, listamos duas para conhecimento:

  1. "...De acordo com José Pedro Machado ("Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa"), o vocábulo "caboclo" tem a sua origem na palavra tupi "caá-boc". Desginava aquele que era tirado do mato.."
  2. "...O dicionário Aurélio, nos diz que Caboclo é o 1. Mestiço de branco com índio; cariboca, curiboca. 2. Antiga designação do indígena. 3. Caboclo de cor acobreada e cabelos lisos; caburé. 4. Sertanejo..."

Conforme podemos verificar nas definições acima, o termo "caboclo" representa uma miscigenação entre brancos e nativos, que tinham características físicas marcantes e representavam o homem da mata, do interior ou sertanejo, um homem "simples". O processo de desenvolvimento sócio-histórico desassociou o caboclo do índio, trazendo para os homens simples da sociedade em geral esse enquadramento, pois com o passar dos anos os nativos foram paulatinamente sendo reduzidos e/ou inseridos nos contextos rurais e urbanos no Brasil, deste modo, o "Caboclo" forma um dos grupos de miscigenação que constituem o povo brasileiro.

O QUE IDENTIFICAMOS NA UMBANDA...

Estamos tratando de uma religião genuinamente brasileira, em seu aspecto multicultural temos a mistura de várias visões sobre o sagrado, contemplando todos os indivíduos encarnados e desencarnados que nela atuam.

A entidade Caboclo esta relacionada a uma das linhas de trabalho espiritual da Umbanda, por esse processo histórico esta atrelada  principalmente ao orixá Oxóssi, com espíritos que foram em algumas de suas encarnações nativos (índios brasileiros ou não...). As associações com outros orixás também são comuns, Caboclos de Ogum, de Xangô, de Oxum... Cada um deles guarda um nome simbólico que representa e ao mesmo tempo explica sua faixa de atuação na energia do orixá.

Por outro lado, pensamos que "restringir" de forma conceitual aos Caboclos de Umbanda somente á espíritos que foram nativos ou indígenas, não seria nada pejorativo, talvez apenas incorreríamos a um determinismo infantil, porque além deles (os  índios), acreditamos estarem uma infinidades de seres das mais diversas culturas, plasmados em forma de Caboclos e militando num gesto  de abraço a causa umbandista, tanto de épocas anteriores ao anos de colonização que o Brasil atravessou ou não. Outras linhas de trabalho apesar de não levarem em muitas das vertentes existentes, o nome de Caboclos fazem parte também deste ideário, são os Boiadeiros, Marujos, Baianos, Preto Velho, Crianças e Exús. Em determinados centros e terreiros batizam a linha como os "Caboclos Boiadeiros" por exemplo....    

O texto 191, do curso de Teologia de Umbanda traz por Rubens Saraceni um trecho bem elucidativo a respeito..."Quando os regentes planetários criaram a Umbanda e codificaram como “espiritualista”,abriram-na para todos os espíritos que quisessem atuar através dela junto dos encarnados.O que foi codificado, é que as religiões antigas teriam a oportunidade de criarem linhas de trabalhos espirituais e magísticos, que atuariam sob a regência dos Orixás, mas recorreriam aos seus próprios conhecimentos e aos mistérios das divindades intermediárias que os regiam. Assim, surgiram muitas linhas de trabalhos e todas foram englobadas no grau de linhas de Caboclos, de Pretos Velhos, de Exús e de Pomba giras"... 
                      



Livros e textos consultados:

Dicionário de Conceitos Históricos
Os Arquétipos da Umbanda- As hierarquias espirituais dos Orixás.
Textos 191/199/184 - Material de apoio (Teologia de Umbanda EAD - PDF)
O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje (PDF)

Sites e links pesquisados:

http://www.umbandaead.com.br/
 

Um comentário:

  1. EU SOU O PAI DA BRUNA , E TAMBEM FOI BOM O TRABALHO DE SARACENI>

    ResponderExcluir